sábado, 25 de setembro de 2010

As 10 melhores cidades de praia do mundo

O portal masculino AskMen.com redigiu uma lista das dez melhores cidades de praia, onde areia e ondas são uma parte integral da vida e O Globo colocou a lista essa semana:

1. MIAMI, Estados Unidos

As pessoas do jet-set mundial vão a Miami para aperfeiçoar seus bronzeados e dançar até o sol raiar. Além de ser um centro de turismo graças a suas praias, Miami é um dos portos mais movimentados do país.

MELHOR PRAIA:  situada a apenas 145 quilômetros de Cuba, South Beach é vista como o ícone das praias de Miami. Diante dela se estende a Ocean Drive, com seus bares, hotéis e restaurantes.


2. DUBAI, Emirados Árabes Unidos

Construída no deserto para ser uma das cidades de praia mais movimentadas do mundo, Dubai é conhecida por sua arquitetura ousada, estilo chamativo e calor intenso.

MELHOR PRAIA: o turismo de Dubai se baseia fortemente em suas belíssimas praias, como a Jumeirah Beach.

3. BARCELONA, Espanha

Misto fascinante de arquitetura, compras e vida noturna, Barcelona fica às margens do Mediterrâneo e tem mais de 4 quilômetros de fantásticas praias de areia branca.

MELHOR PRAIA: a marca registrada da cidade é a Barcenoleta, que atrai até 7 milhões de pessoas por ano.

4. RIO DE JANEIRO, Brasil

Poucas cidades giram em torno de suas praias tanto quanto faz o Rio. Com seu mundialmente famoso Carnaval, os cariocas seguem um estilo despojado, sem afetações e adoram calçar chinelos de dedo para ir à praia.

MELHOR PRAIA: a famosa Copacabana, que se estende por quatro quilômetros entre a av. Princesa Isabel e o Posto Seis, tem um clima de requinte casual praieiro.

5. CIDADE DO CABO, África do Sul

Cidade em que a riqueza exagerada convive lado a lado com a miséria total, a Cidade do Cabo subiu nos rankings turísticos nos últimos anos, tornando-se destino frequente de estrangeiros interessados em uma vida melhor sob o sol.

MELHOR PRAIA: a Clifton Beach é uma das mais glamourosas da Cidade do Cabo. A Big Bay e a Little Bay são melhores para a prática de esportes aquáticos, como o windsurfe.

6. LOS ANGELES, EUA


Capital mundial do entretenimento e da cultura popular, Los Angeles também é conhecida por sua gama estonteante de praias, graças em parte à quantidade de vezes em que elas aparecem em filmes e na televisão.

MELHOR PRAIA: embora tecnicamente faça parte do condado de Los Angeles, Santa Monica é de longe a praia mais famosa na região de L.A. Os episódios do seriado “Baywatch” eram rodados ali.

7. BRIGHTON, Reino Unido

Situada no sul da Inglaterra, Brighton é cheia de história e era a cidade frequentada pelos mods e rockers dos anos 1960. Infelizmente, seu píer pegou fogo. Mas outro foi construído, com parques de diversão, barracas e fliperamas.

MELHOR PRAIA: além das centenas de pubs e clubes, a praia de pedrinhas é a maior atração de Brighton e é recoberta de cadeiras de praia listradas em vermelho e branco.

8. SYDNEY, Austrália

Não faltam coisas para se fazer em Sydney, com sua arquitetura marcante, que inclui marcos como a Sydney Opera House e a ponte do porto da cidade, uma vida noturna dinâmica e abundância de beleza natural. Mas algumas das maiores atrações são sem dúvida suas praias.

MELHOR PRAIA: Bondi Beach é a extensão de areia mais fotografada da Austrália. Famosa por suas ondas, ótimas para o surfe.

9. MUMBAI, Índia

Mumbai é capital financeira, comercial, industrial e cinematográfica da Índia, mas outro ponto de interesse é, claro, a praia. A Juhu Beach, a pouca distância do centro da cidade, tem os melhores hotéis de Mumbai.

MELHOR PRAIA: Ladeada pela avenida Marina Drive, no lado ocidental da cidade, Chowpatty Beach é a mais carismática da cidade.

10. VENEZA, Itália

Em função dos canais, das gôndolas e da belíssima arquitetura de Veneza, as praias da cidade frequentemente ficam em segundo plano. Mas a romântica cidade italiana na realidade abriga algumas das praias bonitas menos comentadas da Europa, onde natureza e história se encontram.

MELHOR PRAIA: o Lido fica a apenas dez minutos das multidões de turistas que se reúnem em volta da Praça São Marcos. É uma ilha de 17 quilômetros que se estende entre o mar aberto e a lagoa.

Fonte: AskMen - Foto: Florida

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Desertos do mundo. Aventura a mais de 40 graus

Até onde a vista alcança, não se registra sinal da presença humana. A linha do horizonte a incontáveis quilômetros e o silêncio só quebrado pelo assovio do vento intensificam a sensação de solidão. E terminam aí as semelhanças entre os desertos. Porque aquela imagem de dunas e mais dunas não corresponde à realidade em todos os casos.

Os maiores desertos do planeta são compostos por variados relevos e tipos de vegetação. Montanhas, rochas, estepes, lagos, planícies salgadas e gêiseres formam paisagens únicas.

Como regra, há duas definições. As chuvas têm índice anual inferior a 250 mililitros (em São Paulo, são 1.500 mililitros por ano). E inexistem condições para ocupação humana permanente. Aos viajantes, detalhes técnicos interessam menos que a beleza e o mistério dessas áreas. Do gigantesco Saara ao verde Gobi e ao árido Outback, selecionamos os mais belos (e turísticos) desertos do planeta. Para ver e, quem sabe, se aventurar.

A única semelhança entre o gigantesco deserto do Saara, o verde Gobi
e os áridos Outback e Atacama são os incontáveis quilômetros de areia


DESERTO DO ATACAMA

No Chile, ele é o mais seco do mundo





Entre albergues simples com preços camaradas para mochileiros e resorts luxuosos, a vila de San Pedro de Atacama se acostumou ao vaivém de turistas. Localizado no norte do Chile, o Atacama é considerado o deserto mais seco do mundo. Entre as principais atrações, o Vulcão Licancabur, visível da vila, e o Salar de Tara, planície coberta de sal. Na região, não deixe de conhecer uma das atrações mais concorridas, localizada a uma altura de mais de 4.300 metros. Os gêiseres el Tatio ficam em um campo geotérmico com mais de 500 aberturas naturais expelindo fumaça na atmosfera. Além disso, é bom lembrar que a ausência de nuvens faz do Atacama um dos melhores pontos do mundo para observar a Via Láctea. Astrônomos profissionais se acotovelam para estudos, enquanto amadores aproveitam os miniobservatórios de hotéis, como o Larache, para apreciar a beleza infinita do céu.

DESERTO DA NAMÍBIA

Além de bonito, ocupa 70% da Namíbia


Antes de chegar às Dunas de Sossusvlei, no Naukluft Park, são 6 horas de carro a partir da capital, Windhoek, onde descem os aviões vindos de Johannesburgo. As montanhas de areia são o cartão-postal do país e se transformam a cada instante - o deserto ocupa 70% do território da Namíbia. Conforme o sol desponta no céu e esbarra em nuvens estáticas, elas assumem diferentes recortes, ganham movimento, contornos e mudam de cor. Caranguejos e escaravelhos azuis surgem em meio às pegadas na areia. De qualquer ponto, a panorâmica é impressionante.

DESERTO DE MOJAVE

Na Califórnia, dá para encarar sem guia


A floresta de Joshua Trees (ou árvores de Josué, típicas da região), única no planeta, disputa a atenção dos viajantes com as Dunas de Kelso dentro da Área de Preservação do Mojave. Trata-se do terceiro maior parque dos Estados Unidos, com exceção do Alasca. Além de repleto de atrações, o Mojave tem boa infraestrutura turística. A começar pelo site mais do que competente, com todas as informações para organizar a viagem. Uma boa ideia é começar pelo reformado Kelso Dunes Visitors Center. Saiba que em raros desertos o turista pode se dar ao luxo de viajar por conta própria. Pois o Mojave é ideal para independentes. As estradas são bem marcadas e sinalizadas. Mas, com exceção das rodovias principais, que não têm asfalto (senão, qual seria a graça?). Há vários campings. Aliás, trekking e cavalgada são as principais atividades no Mojave. A caça esportiva, para quem faz mesmo questão, é permitida. Desde que se tenha uma licença específica emitida pelo Estado da Califórnia.

DESERTO DA AUSTRÁLIA

Na Austrália, ocupa 80% do país


Chegar ao coração da Austrália não é missão das mais fáceis - muito menos barata, por isso, prepare-se. As longas distâncias encarecem os pacotes que levam a Uluru (ou Ayers Rock), a principal atração do Outback, imenso deserto que ocupa 80% do país. O monólito gigante que dá nome ao Parque Nacional é sagrado para os aborígines. Por isso, há regras rígidas para os turistas, que devem caminhar apenas pelas trilhas. Há lugares onde a entrada é proibida. Além das trilhas, os principais tours são os que levam os visitantes a apreciar as variações de cor em Uluru durante o nascer e o pôr do sol. É, simplesmente, imperdível! Subir no monólito não é proibido, mas os visitantes são desencorajados a fazê-lo por razões ambientais e culturais.

Comece o tour pela Tunísia ou Marrocos
O maior deserto do mundo tem temperaturas que chegam a 55 graus de dia e descem abaixo de zero à noite. Passa por 11 países. Pedras, dunas, oásis, morros e uma infinidade de cidades e povoados. Há maneiras variadas de explorar o Saara, dependendo de qual seja sua porta de entrada. A Tunísia é uma ótima opção. Os tours são feitos a partir de Tozeur, no sul do país. Bastam dez minutos nos carros 4X4 para chegar à primeira parada: Oung Jemel, cenário para o "Star Wars" de George Lucas. No mesmo dia, o visitante conhece Chebika. Dá até para passar uma noite no deserto, acampado com todo conforto em lugares como o acampamento Zaafran. Já o Erg Chebbi, um verdadeiro mar de dunas, é a principal atração para quem explora o Saara a partir do Marrocos. Os tours saem de Merzouga, quase na fronteira com a Argélia.




DESERTO DE GOBI

Um parque de diversões para aventureiros
>

O Gobi é verde em boa parte de sua extensão. Um tapete de vegetação rasteira interrompido por montanhas de pedra, leitos de antigos lagos completamente secos ou um conjunto de dunas (que representam apenas 3% do total do território). As temperaturas chegam aos 40 graus no verão - e descem a menos 40 no inverno, quando as visitas turísticas são impossíveis. Sua área, de 1,3 milhão de quilômetros quadrados, equivale aos territórios de Espanha, França e Alemanha juntos. E se estende pelo centro da Ásia, entre a Mongólia e a China. É um verdadeiro parque de diversões para aventureiros, com paisagem tão diversa que deixa qualquer um encantado. Longos vales são perfeitos para mountain bike. Escalada é a pedida em paredes de rocha como as Vulture?s Gorges, no Parque Gurvan Saikhan. Há dunas e mais dunas para o sandboard. mas é bom lembrar que a infraestrutura é quase inexistente. Como opção de hospedagem, alguns poucos ger camps, acampamentos com tendas idênticas às dos nômades que habitam o deserto. A regra geral é contratar um guia-tradutor (nem seria seguro ir por conta própria), alugar um carro 4X4 e lotar o porta-malas com barraca, comida e água.


Atacama
Site:
sanpedroatacama.com

Austrália

Site:
enviroment.gov.au/parks/uluru

Mojave

Site:
nps.gov/moja ou dfg.ca.gov/regulations

Tunísia

Site:
cometotunisia.co.UK.

Marrocos

Site:
visitmorocco.com.

Gobi


Site:
mongoliatourism. gov.mn 



Adriana Moreira e Mônica Nóbrega (Jornal A Gazeta)

Cidade de Pereira, Colômbia. Entre uma fazenda e outra, caia na balada

No caminho entre Armenia e Manizales, está a capital do departamento de Risaralda, a cidade de Pereira, que possui uma agitada vida noturna e rica gastronomia. O Bosque del Samán possui casas com características de sede de fazenda, com piscina e jacuzzi, e fica no município de Cerritos, próximo à Pereira. Na capital, está o Zoológico Matecaña e a praça cívica Ciudad Victoria, que merecem uma visita mais demorada. Ao redor, é possível apreciar cenários como as fazendas cafeeiras, rumo ao município de Marsella, as fazendas na estrada de Cerritos e a passagem pelo Rio Cauca no povoado de Virginia, cujas paisagens deixam os turistas boquiabertos diante de tantas belezas.

O roteiro gelado de caldas
O cenário é frio, mas é só tomar um cafezinho


Caldas é uma das mais importantes produtoras cafeeiras, tendo como Manizales sua capital. No departamento, funciona o Centro de Pesquisas Cafeeiras. A capital é também o ponto de partida para o Parque Natural los Nevados, onde é possível pisar na neve e admirar a paisagem gelada e de grande altitude, que chega a atingir 4.800 metros. Pela geografia montanhosa, a cidade possuía um teleférico que escoava o café da região até o porto de Mariquita. A estrutura deixou de funcionar em 1961, mas ainda é possível enxergar vestígios dela, como a estação de madeira, atual sede da Universidade de Nacional.

A Gazeta

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Los Cabos - México, o maior aquário do mundo

LOS CABOS, MÉXICO - Se quando você pensa em mergulhar no México lembra imediatamente de Cancún e Cozumel, na Riviera Maia, fique sabendo que lá no noroeste do país, na ponta mais austral daquele trechinho separado do continente chamado Baja California, onde o Mar de Cortés encontra o Oceano Pacífico, essa atividade fica muito mais divertida e radical. Enquanto no Caribe o forte dos mergulhos são os corais, as esponjas e os peixinhos coloridos, na região de Los Cabos a aventura conta também com a participação de bichos muito maiores em águas igualmente azuis e transparentes. Arraias, leões-marinhos, golfinhos, tubarões e baleias são apenas alguns dos seres marinhos que nadam ao lado de imensos cardumes de peixes de todos os tamanhos e tonalidades, em um cenário de cânions e cascatas de areia que foram descritos por Jacques Cousteau, na década de 1970, como "o maior e mais bonito aquário do mundo". São mergulhos para todos os níveis de experiência, com profundidades que vão desde os dez metros, podendo se estender a verdadeiros precipícios submarinos em águas com ótima visibilidade e as melhores condições para o esporte. É o destino ideal não só para mergulhadores como para pescadores, velejadores e amantes da natureza.

Entre as atrações de Baja California, surfe, pesca e observação de baleias

Polanco, o lado mais chique da capital mexicana

Mais conhecido como um dos mais exclusivos points de férias de celebridades americanas, roteiro romântico de lua de mel e por seus resorts e campos de golfe incríveis, Los Cabos é também um lugar delicioso para curtir o mar, seja explorando suas águas acima ou abaixo da superfície. São muitas atividades marítimas em uma região semidesértica do México onde há sol 355 dias por ano e faz calor em qualquer estação.

Localizadas na ponta mais ao sul da península da Baja California, San Jose del Cabo e Cabo de San Lucas são as duas principais cidades de Los Cabos, ligadas por uma estrada de 32 quilômetros conhecida como Corredor Turístico, com mais de 30 resorts, campos de golfe, restaurantes e mar para dar e vender. A baía de Cabo San Lucas tem águas calmas e cristalinas. Além de abrigar a marina de onde saem os barcos para mergulho, pesca e passeios com snorkel, é por ali que se praticam muitas das atividades aquáticas disponíveis na região. Na ponta da baía fica o famoso Arco, cartão-postal de Los Cabos e divisa entre o Mar de Cortés e o Oceano Pacífico. Os passeios podem ser contratados na marina de Cabo San Lucas ou nos próprias resorts, sem precisar sair da piscina, enquanto se coloca o bronzeado em dia bebendo mais uma margarita.


Duro mesmo é acordar no dia seguinte para mergulhar às 7h da manhã, ao som das ondas do mar que entram pela varanda do quarto. Como as saídas de mergulho são sempre bem cedinho, os hotéis providenciam uma "merenda" de café da manhã. Ao chegar à operadora de mergulho, recebemos as roupas de neoprene, máscaras e nadadeiras para partirmos para o barco praticamente prontos para cair na água e observar a fauna submarina, a mais famosa da região.

Os pontos de mergulho da baía do Cabo San Lucas ficam, em média, a apenas dez minutos de navegação da marina e são perfeitos tanto pra mergulhadores credenciados como para iniciantes. Quem nunca mergulhou na vida pode fazer o batismo com um instrutor particular e, mesmo em águas rasas, já dá para ver as maravilhas que habitam o Mar de Cortés. São centenas de espécies de vida marinha que, combinadas com espetaculares paisagens subaquáticas de penhascos e desfiladeiros, trazem inesquecíveis experiências de mergulho para todos os níveis. No nosso grupo, um amigo "batizado" mergulhava pela primeira vez a 15 metros de profundidade quando deu de cara com um tubarão-baleia de cerca de seis metros. Sorte de principiante, ou nem tanto, porque deu para perceber que o forte de Los Cabos é a variedade de espécies, capaz de deixar até Fernando de Noronha no chinelo.

Na baía de Cabo San Lucas não é permitida a pesca com arpão, mas os mergulhadores são livres para explorar e fotografar. A área perto do Arco também é incrível para qualquer tipo de mergulhador. A visibilidade alcança 30 metros de abril a novembro, que é a alta temporada de mergulho. A temperatura da água não é exatamente quente - em torno de 20 graus. Nessa região, os pontos de mergulho mais famosos são a Pedra do Pelicano, o Dedo de Netuno e La Punta, perto da colônia de leões-marinhos, onde se tem quase sempre a chance de nadar com alguns deles.


As Cascatas de Areia, um mergulho de 27 metros de profundidade documentado por Jacques Cousteau, começam na Pedra do Pelicano e caem drasticamente até 360 metros de profundidade. Nessa região dezenas de cardumes de peixes se entrelaçam formando uma coreografia que eu, com mais de 200 mergulhos registrados, jamais havia visto. Surpreendente. Também pode-se encontrar moreias, peixes-anjo, peixes-papagaio, violas, lagostas, barracudas, baiacus, arraias e tartarugas socializando-se no local.

O filé mignon para mergulhadores experientes, entretanto, são mesmo Cabo Pulmo e Gordo Banks, um pouco mais distantes. Cabo Pulmo é o lar da única barreira de corais do Mar de Cortés, dentro de um Parque Nacional Marinho, a 1h45m de barco da Marina de San Lucas. A barreira atrai vários peixes tropicais, cardumes de arraias-manta e de xaréus, tartarugas, enormes badejos, peixes-porco e até tubarões-baleia a uma profundidade que varia de dez metros a 30 metros. As expedições, que duram o dia todo, permitem três mergulhos e são sensacionais até para fazer só um snorkel na superfície.


Já Gordo Banks, além de ser unanimidade em termos de melhor mergulho, vive a melhor temporada dos últimos anos. Localizado a 1h15m da marina, é recomendado para mergulhadores mais experientes devido a sua maior profundidade e correntes mais fortes. O cume dessa montanha marinha fica a uma profundidade de 33 metros, onde podem ser encontrados os raros e incríveis cardumes de tubarões-martelo, inúmeras arraias-manta, enormes atuns e solitários tubarões cabeça-chata e lombo-preto. Todos bem alimentados, ainda bem! Até mesmo tubarões-baleia são frequentemente encontrados no local. Como a temporada está excelente, estes habitantes do mar têm sido avistados por quase todas as expedições ao local, em maior número e em água cada vez mais rasas.

- Gordo Banks é o melhor mergulho de Los Cabos no momento. Cabo Pulmo é excelente e tem ótimas condições por ser um arrecife com muita vida, mas Gordo é mais selvagem, em mar mais aberto. Ambos valem o esforço e não há como comparar - diz Melissa Castañeda, divemaster da operadora Manta Scuba, que mergulha há quase dois anos em Los Cabos, também paraíso da pesca esportiva.

Originalmente uma vila de pescadores, em 1917 Cabo San Lucas começou a atrair barcos de pesca comercial de San Diego, nos Estados Unidos, por sua abundância de atum. Na década de 50, pescadores recreativos começaram a chegar, e daí em diante o lugar ficou conhecido como o paraíso desta modalidade.

Como o Mar de Cortés é considerado um dos mais ricos em diversidade de fauna marinha no mundo, com grande variedade e quantidade de peixes, as favoráveis condições de pesca em Los Cabos não são encontradas em quase nenhum outro lugar. A oferta de peixes grandes como dourados, atuns, cavalas e marlins faz da pesca ali uma experiência única. A atividade vai geralmente das 7h às 14h e pode ser contratada nos próprios resorts ou direto com as agências na marina de Cabo San Lucas, de onde saem a maior parte dos barcos. Além disso, existem dois campeonatos de pesca esportiva em Los Cabos que envolvem milhares de dólares e atraem pescadores do mundo todo no mês de outubro, alta temporada do marlin na região.

PASSEIOS
Em Los Cabos, a Manta Scuba organiza mergulhos por a partir de US$ 85. O passeio a Cabo Pulmo custa US$ 210 e para Gordo Banks, US$ 175 (passeio de dia inteiro). O batismo para não certificados sai por US$ 115, e o aluguel de equipamento, US$ 25. www.caboscuba.com

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Fogo avança na reserva do Caparaó e se aproxima do Pico da Bandeira

A Brigada de Combate à Incêndios conseguiu impedir que as chamas avançassem, mas o fogo continua em parte do Parque Nacional do Caparaó, localizado na região de Iúna. Os trabalhos já duram 72 horas. O fogo está há 10km do Pico da Bandeira.

O fogo já atingiu as nascentes de dois rios e destruiu o equivalente a oito campos de futebol de uma das principais reservas de Mata Atlântica da Região Sudeste. No auge dos trabalhos, foram necessários mais de 60 brigadistas para conter as chamas.

Local de difícil acesso

Os primeiros brigadistas tiveram que caminhar por cerca de 4 horas até chegare à linha de combate ao fogo. Um helicóptero enviado pelo Governo Federal chegou na segunda-feira (12) para o transporte de pessoas, comida, água e equipamentos.

Há 16 anos não eram registradas queimadas graves na reserva. O fogo começou na noite de sábado (10). Há suspeitas de que tenha sido criminoso. A chefe do Parque Nacional do Caparaó, Thaís Farias Rodrigues, disse que vai levar o caso à polícia para que seja aberto um inquérito que apure as causas do incêndio.

A previsão é de que o fogo seja controlado até a quarta-feira (15).


PARQUE NACIONAL. SERRA DO Caparaó

Aqui, ecoturistas e amantes do trekking e montanhismo, talvez tenham melhor chance de exercitar suas habilidades de escalada no Pico da Bandeira, a terceira montanha mais alta do Brasil com 2.897 metros acima do nível do mar.

Espere um minuto, não desanime querido viajante, para escalar o Pico da Bandeira não é uma tarefa muito difícil. O segredo consiste em ir lenta e constante, e fazer uma pausa a cada 30 minutos. Desta forma a caminhada se transforma em uma ocasião muito agradável para ver o cenário e cada detalhe sobre o horizonte, com todas as nuances de luz e cor tornando a aventura mais agradável.

O Pico da Bandeira levanta no território da Serra do Caparaó Parque Nacional, uma reserva natural localizada entre os estados de Minas Gerais e do Espírito Santo, na Serra de Mantiqueira, tem uma extensão de 31.000 hectares. Demora cerca de quatro horas para chegar ao cume.

Criado em maio de 1961, o Parque Nacional do Caparaó apresenta uma geografia muito diferente e os motivos mais desigual em todo o território do Brasil. A apenas 250 quilômetros do litoral, a saias rochosos do Pico da Bandeira subir até cerca de 3000 metros de altitude.

O terreno acidentado tem uma extensa rede fluvial com várias fontes, formando regos, córregos, lagos e piscinas naturais com águas cristalinas. Os principais rios são o José Pedro, o Caparo e São Domingo. É um dos mais procurados destinos para os defensores do turismo de aventura, caminhadas e outras actividades relacionadas com o alpinismo.

O parque contém outros dois picos bastante elevados também. O Crystal Peak em 2.798 metros acima do nível do mar, o Pico do Calçado e em 2.766 metros acima do nível do mar.

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Chapada do Guimarães. Cachoeiras e cavernas são atrações

A Chapada dos Guimarães é uma das cidades turísticas de Mato Grosso. O visitante pode ir de avião até a capital do estado, Cuiabá. Depois são mais 60 km de carro pela rodovia Emanuel Pinheiro.
A cidade é pequena, mas oferece hospedagens confortáveis. Em hotéis a diária para o casal custa em média 300 reais. Ou em pousadas mais simples em 60 reais.


Os restaurantes oferecem refeições por preços que variam de 15 à 50 reais por pessoa. Pratos à base de peixe lideram os pedidos.

Para conhecer o lugar, os guias oferecem mais de dez roteiros diferentes. Um deles é o caminho das águas que fica dentro do Parque Nacional de Chapada dos Guimarães.

Depois de dois quilômetros de caminhada já se ouve o barulho da água, mas antes de chegar às cachoeiras, o trajeto nos reserva algumas surpresas como a paisagem do Vale do Véu de Noiva.

"Aqui é legal que a gente consegue avistar uma parte dos paredões de chapada e uma diferença entre a mata que tem embaixo devido ao rio e o cerrado que é a parte mais alta, que predomina”, explica Ailton Assis, guia.

A cachoeira que mais brilha é a Véu de Noiva com cerca de 80 metros de queda d'água. Ela nasce do rio Coxipó, palavra que na língua dos índios bororos quer dizer "água que reluz".

Outra atração é a caverna Aroe Jarí, uma das maiores com a formação de arenito do Brasil. Com um salão enorme na entrada e dezenas de galerias, a caverna tem 1.400 metros de extensão.

Às duas horas da tarde, os raios de sol atingem a água que se acumula entre as rochas. Logo a piscina natural ganha uma coloração azulada.

A cidade de pedra é outra atração intrigante. No meio dos paredões, rochas esculpidas pela água e pelo vento. Estudos indicam que, no passado, essa região foi mar.

"Um dos maiores indícios são estes blocos de arenito. O arenito geralmente ele demonstra as antigas regiões oceânicas e aqui em chapada no parque nacional é comprovado através das conchas que também são encontradas nos sítios paleontológicos”, diz o guia.

Fonte: G1

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Top 10 praias para ficar como se veio ao mundo no Brasil

Os apreciadores do nudismo estão ganhando cada vez mais espaços inusitados. Já existem vários lugares espalhados pelo mundo, como bares, restaurantes, supermercados, academia de ginástica e até lanhouses, destinados ao público que gosta de viver livre leve e solto naturalmente peladão.


Pedras Altas, em Santa Catarina, reserva lugares incríveis para os naturalistas

Tambaba – PB 30 km da capital da Paraíba, João Pessoa, Tambaba foi a primeira praia do Nordeste liberada para o nudismo. Protegida por árvores de grande porte e falésias, tem mar calmo e formações rochosas com piscinas naturais. Os nativos já freqüentam as areias de Tambaba sem roupa há muito tempo, mas o naturismo só foi oficializado em 1989. A praia é exclusiva para famílias e casais.• Acesso: Pela Rodovia PB-08. De João Pessoa são aproximadamente 30 km de estrada asfaltada.
• Infra-estrutura: Há pequenas pousadas rústicas. Numa delas, dentro da área naturista, os hóspedes pelados circulam numa boa.
• Informações: PBtur: tel. (83) 226-7078, ou no site www.tambaba.com.br


Massarandupió – BA

Na Linha Verde, a 93 km de Salvador, Massarandupió é a mais nova área liberada para os peladões. Foi criada pela prefeitura para absorver os hóspedes naturistas do Resort Costa do Sauípe, na praia vizinha. O cenário, selvagem, é de mar limpo, ondas fortes e dunas amareladas. A área reservada aos nudistas está a 20 minutos de caminhada da entrada da praia e tem as mesmas regras de Tambaba. Homem não entra sozinho, roupa de banho, nem pensar, e olhar para a mulherada… só se for de rabo de olho. Na baixa temporada, entretanto, basta tirar o calção e curtir: a praia fica completamente deserta.

• Acesso: Pelo km 75 da Linha Verde, sentido Salvador Aracaju, mais 7 km de estrada de terra.
• Infra-estrutura: A praia é quase deserta, mas há um quiosque e um local para camping na área de nudismo.
• Informações: Abanat (Associação Baiana de Naturismo): tel. (71) 231-3472/230-3288, ou no site www.naturismo.hpg.com.br

Barra Seca – ES
É a única praia de naturismo do Espírito Santo. Fica no município de Linhares (litoral norte do estado), a 142 km de Vitória. Por estar dentro de uma ilha, a praia garante aos nudistas muita privacidade. É preciso estacionar o carro na outra margem do Rio Ipiranga e atravessar em barcos ou canoas da associação de naturistas local. Tem 2 km de areia reservados para a prática do naturismo, com áreas delimitadas para homens desacompanhados.

• Acesso: Pela BR-101 até Pontal do Ipiranga, onde se estaciona o carro com relativa segurança antes de atravessar o rio para Barra Seca.
• Infra-estrutura: Pequena (só funciona no verão). Na Praia de Urussuquara, a 1 km de Barra Seca, há pousada e área para camping.
• Informações: NATMG (Associação dos Naturistas de Minas Gerais): tel. (27) 3227-5470, ou no site www.natmg.org.br

Olho de Boi – RJ
Quem for só na tentativa de espiar uma sósia de Brigitte Bardot nua pode se dar mal: a praia é mais freqüentada por gays do que por mulheres bonitas. Como toda a costa de Búzios, a Olho de Boi é pequena, discreta e charmosa. A faixa de 100 metros de areia fica protegida entre costões rochosos e tem mar limpo e calmo, com muitas pedras no fundo. No extremo esquerdo, conhecido como “paredão”, a água, ao bater na parede, cai em forma de cascata. Um luxo. Agora, se você for sedentário, um conselho: não vá. O acesso é difícil, não pela extensão (a trilha tem menos de 1 km), mas pela pirambeira considerável.


• Acesso: A trilha para a Olho de Boi começa na ponta direita da Praia Brava.
• Infra-estrutura: Nenhuma. A praia é 100% selvagem.
• Informações: Situr: tel. (24) 623-2099

Praia do Pinho – SC
Os freqüentadores da Praia do Pinho, no Balneário Camboriú, foram os pioneiros a conseguir o.k. oficial para tirar a roupa, em 1988. Tem duas praias: uma maior, com 400 metros, para casais, e outra com 100 metros, para desacompanhados. Montanhas escarpadas cercam a região, garantindo a privacidade dos nudistas que circulam pela pousada, restaurantes e campings. O clima, acredite, é tão familiar que você vai se sentir em qualquer outro destino tradicional de férias no verão. Ou quase.

• Acesso: Pela BR-101, entre o Balneário Camboriú e Itapema, ou pela Praia de Laranjeiras.
• Infra-estrutura: Total. Boas pousadas, restaurantes e área de estacionamento.
• Informações: AAPP (Associação Amigos da Praia do Pinho): tel. (47) 9983-7536, ou no site www.braznet.com.br/~pinho

Galheta – SC
Freqüentada desde a década de 70 por nudistas, o Parque Municipal da Galheta fica entre duas praias movimentadas de Floripa: a Barra da Lagoa e a Mole. A pequena trilha (300 metros, a partir da Praia Mole), o morro que a separa da estrada e a falta de estrutura fazem com que a praia mantenha-se selvagem e isolada. Ruim para quem gosta de ficar com os chinelinhos pro ar, ótima para quem gosta de ficar peladão na natureza: pequenas duchas de água doce, mar de água cristalina, areia branca e fina, pedras emolduradas por montanhas com arbustos, orquídeas e bromélias. Como muitos pontos da ilha catarinense, o lugar também tem ondas boas para surfe. E uma incrível concentração de mulheres bonitas.

• Acesso: Trilha a partir da Praia Mole, 16 km ao sul do Centro de Florianópolis. • Infra-estrutura: Nenhuma.
• Informações: Associação dos Amigos da Galheta: tel. (48) 691-8015

Pedras Altas – SC
Em Palhoça, a 30 km de Florianópolis, a bonita praia de Pedras Altas é cercada por formações rochosas, que isolam a área para você ficar peladão numa boa. O mar é tranqüilo, ideal para crianças e são elas, com seus papais e mamães, que mais freqüentam a área, especialmente o lado da praia reservado a casais e famílias. O código de ética é fiscalizado pelo Clube Naturista local. Para quem está lá só para curtir, o lugar certo está do outro lado da praia. Lá é tudo liberado, inclusive homens e mulheres solteiríssimos.

• Acesso: Há placas indicativas na BR-101.
• Infra-estrutura: Os dois lados da praia oferecem bar e restaurante. No lado naturista há uma pousada bem simples, área de camping e estacionamento.
• Informações: Clube Naturista Pedras Altas: tel. (48) 9967-7028/9901-6769, ou no site www.naturis.com.br

Pedra Grande – BA

É uma praia de nudismo clandestina a área foi loteada e os proprietários colocaram placas proibindo peladões na praia , mas todo mundo vai. O point não é uma extensão natural da Praia dos Coqueiros, a mais freqüentada de Trancoso. Para chegar à área naturista, é só caminhar 20 minutos para o sul, em direção a Caraíva, por trechos de areia fina e dourada, com paradas para banho no mar esverdeado (sacrifício, não?). As freqüentadoras são tão alto-astral quanto a paisagem: meninas malhadas e descoladas, que adoram música eletrônica e costumam desfilar de topless desde o último bar da Praia dos Coqueiros até a área de nudismo.

• Acesso: Trancoso fica a 25 km de Porto Seguro.
• Infra-estrutura: Na Pedra Grande, nenhuma. Mas Trancoso é lotada de bares, restaurantes e pousadas de primeira.

Praia da Figueira – RJ

O nudismo aqui também não é oficial, mas a praia é tão famosa entre os adeptos que seu apelido é Praia dos Pelados. Aqui ninguém pretende seguir a filosofia e as regras naturistas. Traduzindo: dá para ir desacompanhado ou levar a namorada para rolar aquele clima, que absolutamente ninguém vai te incomodar. Essa liberdade total faz com que muita gente leve tudo na sacanagem. Resultado: muitas gatinhas acabaram desistindo de tomar sol peladas por lá. Mas é divertido pelo menos para quem quer conhecer o famoso reduto dos alternativos de Trindade. Se não gostar do clima, é só seguir pela mesma trilha para tomar sol (com roupas de banho) nas tranqüilas piscinas naturais da Praia do Cachadaço.

• Acesso: Pelo km 268 da Rio Santos, a 30 km de Parati, depois da Praia do Meio.
• Infra-estrutura: Tá brincando? Em Trindade? Só se for uma barraca, um violão…

A maioria dos países no mundo têm agora oficialmente designado praias de nudismo - com algumas exceções significativas. Gradualmente, porém, a opinião pública está mudando, e estilos de vida naturistas são cada vez mais visto como saudáveis e normais.

Haverá sempre pessoas para quem a nudez é desconfortável, mesmo um pecado. Toda pessoa tem direito à sua opinião. Os naturistas não estão tentando fazer com que todos adotem o não uso de roupa um estilo de vida opcional. É uma decisão individual. Os benefícios, entretanto, são bem reais. Então o que você está esperando?

Praia do Abricó – RJ
A Praia de Abricó sem dúvida é um paraíso de águas cristalinas, cercada por montanhas e vegetação tropical, sendo uma área de proteção ambiental dentro da reserva biológica do Parque de Grumari.

Por sua exuberância e beleza natural, por ser cercada por montanhas e por sua proximidade com o centro urbano a Praia de Abricó é o ponto ideal para a prática do naturismo no Rio de Janeiro. Apesar dos meios de transportes coletivos deixarem seus passageiros a cerca de 5 km da praia, existe uma estrada asfaltada que possibilita o acesso até bem próximo à praia.

Nos links abaixo você pode conhecer sites especiais para o pessoal que admira a prática de ficar pelado ou queira saber mais sobre nudismo.


Brasil Naturista
Wikipedia
* imagens des praias nudistas
Fonte de pesquisa: Guia Quatro Rodas

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Antiga Roma. 5 coisas que você talvez não saiba

O poder de Roma foi realmente elevado depois que os romanos chutaram seus primos distantes, os etruscos, para fora da cidade em 509 aC (Antes da Era Cristã). Embora os etruscos tiveram governado Roma por quase 200 anos, o quadro começou a virar quando o controle estava de volta na mão direita. E com o estabelecimento de um sistema político republicano incrível que consistia de um senado 300 homens, o desejo de manter um equilíbrio de poder em diferentes partes do mediterrâneo ocupou o lugar de império de maior sucesso em toda a história: o Império Romano.

No entanto, além do funcionamento interno do Senado e do nascimento de uma grande força dominante, exatamente o que sabemos sobre a cidade de Roma e as pessoas que a ocuparam? O que está por trás da cultura romana e estilo de vida, além do Coliseu e Júlio César?
Roma Antiga

Então, aqui estão cinco coisas que você não sabia sobre Roma.

1 - Em Roma, era considerado decadente vomitar entre as refeições

O Império Romano, admirável por tantos lados, Propensos à gula, muitos, tendo comido em excesso, mandavam os escravos introduzirem penas em suas gargantas a fim de provocar o vômito, e assim poderem continuar no banquete. É repugnante. No entanto, esse hábito foi considerado decadente. O filósofo romano Sêneca condenou a prática, narrando que em uma festa "enquanto estávamos deitados em um banquete, um escravo limpava até a saliva, outro, debaixo da mesa, recolhia as sobras dos bêbados". O orador romano, Cícero, atacou Júlio César por expressar "o desejo de vomitar depois do jantar." No entanto, a noção de que os romanos tinham uma sala dedicada para este efeito, um vomitório, é um mito

Os romanos comiam reclinados sobre o cotovelo esquerdo, em leitos estreitos (klinai) e usavam facas e colheres. Os excessos de comida e bebida tornavam o vomitar uma situação comum, pelo que havia escravos com a incumbência de limpar os leitos e os soalhos e de fornecer grandes taças aos comensais.


2 - ancient-rome
Durante o século I dC (Era Clássica), algumas das casas em Roma, foram construídas com tubos de terracota embutidos nas paredes. Os tubos de ar quente, realizado a partir do fogo no porão - foram os primeiros sistemas de aquecimento central. Melhor ainda, as zonas balneares foram abastecidos com água quente e fria correr tão banhistas poderiam escolher entre três banhos de acordo com a preferência: o caldarium (quente), frigidarium frio) e tepidarium ((quente). As moradias dos ricos, muitas vezes tinham banheiros privativos (presença de escravos - ou seja, o cenário assustador com Tony Curtis em Spartacus). No entanto, o banho pode seria ser um evento social, uma espécie de partido de combinação e reunião de negócios, razão pela qual também é possível ver os aristocratas romanos preguiçosamente despido nos banhos de Spartacus.


3 - Calígula ameaçou fazer seu cavalo cônsul
O imperador romano Gaius Caesar Germanicus foi apelidado de "Little Boots" (Pequena Bota), porque ele foi criado em acampamentos do exército e, por vezes, vestido como um soldado em miniatura. O apelido pegou, e do mundo se lembra dele pela sua versão latina: Calígula. Como um jovem garoto, os soldados estavam tão afeiçoado a ele que terminou um motim, mostrando apenas o rosto dele. Apesar do apelido e adorável aclamação popular, Calígula acabou por ser um soluço louco, e não em um bom caminho: De acordo com Suetônio, "Ele foi a criação de uma víbora para o povo romano." Entre as ações mais interessantes Calígula - ameaçou fazer o seu cavalo, Incitatus, cônsul e deu o animal ", uma casa, um bando de escravos e móveis, para o entretenimento mais elegante dos convidados em seu nome."

Calígula também anunciou que tinha se metamorfoseado em Jove, o deus principal. Ele declarou guerra à Netuno, enviando seus soldados para atacar o mar, com espadas e catapultas, e ele "viveu em incesto habitual com todas as suas irmãs." Mais tarde ", em um de seus suntuosos banquetes mais que de repente explodiu em um ataque de riso, e quando os cônsules, que estavam sentados próximo a ele, educadamente perguntaram do que ele estava rindo, [Calígula] respondeu: "Não é engraçado? Em um gesto único meu e você poderia ter sua garganta cortada no local. "Aparentemente, ele não era engraçado.Calígula ficou famoso, também, por sua crueldade e pelas baixarias. Ele teria determinado que criminosos fossem servidos vivos como refeição para animais selvagens, além de ter transado com suas três irmãs.

4 - Os maridos Romanos beijavam suas esposas para se certificarem de que não estavam bêbadas.
O maridos romanos beijavam suas esposa na boca ao final do dia, mas seus motivos não eram nada românticos - faziam para verificar a respiração de suas cônjuges para ver se estavam beberam vinho durante o dia ,algo proibido para mulheres, por estimular ao adultério.Os homens poderiam apedrejar as mulheres na medida em que estas fossem infiéis.
O mundo romano antigo era a cultura patriarcal, com os homens controlando todas as posições de poder. Mulheres e crianças não tinham qualquer poder.
5 - A cidade de Roma tinha um umbigo
No amor com a idéia de ordem e arrumação, o imperador Augusto teve um marco de ouro construído na cidade de Roma, em que foram listadas as distâncias de todas as grandes cidades do império. O imperador Constantino mais tarde se referiu a este como o Umbigo Urbis Romae - ou o umbigo "de Roma." Era também a origem do ditado "todos os caminhos levam a Roma." Assim como muitas estradas estavam lá? Um lote inteiro: Os romanos construíram mais de 54.000 quilômetros de estradas em torno da bacia do Mediterrâneo. Para efeito de comparação, a partir de 2004, os EUA construiu cerca de 75.000 km de estrada pavimentada.

Fonte: TV Canal 7

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Rio de Janeiro. Perfeição, natureza, cultura e vida urbana. Cidade Maravilhosa

O Rio de Janeiro é a segunda maior metrópole do Brasil, a quarta na América Latina, a capital do estado homônimo e está situado no sudeste do país. É a cidade mais conhecida do mundo e representa o Brasil, em que o país apresenta o melhor. A cidade é famosa internacionalmente por suas atrações turísticas, tais como as praias de Copacabana, Ipanema, Barra da Tijuca e Leblon, bem como para o Cristo Redentor (hoje uma das Sete Maravilhas do Mundo Moderno), Pão de Açúcar, Estádio do Maracanã, o Réveillon na praia de Copacabana (uma das maiores e mais belas da Terra) e Carnaval.


Rio de Janeiro foi a capital do Império Português durante invasões de Napoleão e depois se tornou a capital do Brasil Império. Mais tarde, o Rio se tornou a capital da República até o ano de 1960, quando Brasília foi inaugurada, em substituição de Rio de Janeiro, capital federal. A cidade também é conhecida como a Cidade Maravilhosa e aquele que nasceu lá é chamado de Carioca.

Ecologia
Depois de visitar as praias, é hora de se tornar ecologicamente familiarizado com a cidade. Comece com um passeio pela Floresta da Tijuca, que oferece grandes motivos de paragem, como a Vista Chinesa. Neste local você pode ver a cidade e a queda Taunay. Um passeio no Jardim Botânico oferece ainda uma outra experiência educativa e ecológica. Parques como o Parque da Cidade e Parque Laje, entre outros, vai completar a sua experiência muito natural.
Cultura
Quando você terminar de explorar o lado ecológico da cidade, você pode começar a descobrir as culturas profundamente enraizadas que deram forma ao centro da cidade. No Aterro do Flamengo, você pode visitar o Museu de Arte Moderna, que está ali localizado. Outras atrações incluem: Paço Imperial, o Teatro Municipal eo Museu de Belas Artes. O Rio oferece aos seus visitantes diversas experiências museu, estendendo-se essa influência, expondo a sua própria história, como monumentos desde os tempos em que o Império orgulhosamente  na cidade estava. A Igreja da Candelária é um exemplo, pois foi a primeira igreja da cidade. Outras atrações como o Mosteiro de São Bento também merece uma visita.

Esportes
Se você gosta de esportes, você pode contar com um roteiro cheio. Faça uma visita ao maior estádio de futebol do mundo, o Maracanã! O Maracanã oferece visitas guiadas, mesmo quando não há jogos! Não perca, leva algum tempo para explora as muitas atrações desportivas e outras que esta  maravilhosa cidade tem para oferecer.

Praias
Se você estiver desejando diversão ao sol, uma visita à praia pode ser o remédio! Considere tentar a  visitar a mundialmente renomada  Copacabana . Copacabana é famosa pela sua passagem, a partir da qual os turistas podem explorar Ipanema, Leblon e de outras belas praias. Outras praias que se pode chegar a partir do Copacabana são: São Conrado, Barra da Tijuca e Recreio.
Copacabana Beach - Praia de Copacabana

Compras
Se fazer compras é o seu hobby, você está com sorte. Com grandes centros como o Barrashopping, Rio Sul e da América Citta, os turistas têm várias lojas e serviços bem na ponta dos dedos. Para aqueles que desejam levar para casa um pedaço do Rio, feiras de artesanato, como Babilônia Feira Hype oferecem itens exclusivos para compra. Se você tem filhos, o New York City Center, equipado com cinemas e jogos eletrônicos, é uma localidade grande, cheia de diversão.


Planetário

A instituição é conhecida como Fundação Planetário e está sob administração da Secretaria de Cultura da Câmara Municipal do Rio de Janeiro. Ele está localizado no bairro da Gávea, perto da Universidade Católica (PUC).

Planetário do Rio de Janeiro está equipado com duas cúpulas, uma de 263 lugares e outro de 130 lugares. Há também quatro telescópios modernos e todos capazes de apontar a cerca de 64 mil objetos. Entre as atividades realizadas ao longo do ano, o Planetário oferece sessões de cúpula, a observação do céu, um museu do universo, uma feira de ciências e um kinder terra.

O complexo inclui Planetarium uma biblioteca, um teatro, salas de conferências, um restaurante e uma ampla área verde para crianças brincando.

Vamos ter alguns conhecimentos científicos e muita diversão!



Noite
Tire partido de uma vida noturna vibrante e jovem. No seu lado sul, a cidade oferece shows, restaurantes de especialidades, bares e discotecas, e as opções à beira-mar. Estas atrações podem ser encontradas nos bairros de Leblon, Ipanema, Barra da Tijuca e além. Com uma tal variedade de entretenimento, algo que é certo para encontrar a sua fantasia. (Aqui dicas)


Clima
De acordo com a classificação de Köppen, Rio de Janeiro tem um clima tropical. A temperatura média anual é de 23 7 º C ea precipitação média anual é de 1,173 milímetros (bairro do Flamengo). A temperatura mais baixa já registrada foi de 4, 8 ° C no Campo dos Afonsos, em julho de 1928, eo maior 43, 2 ° C no bairro de Bangu, em janeiro de 1984.

Transporte

Aeroportos
A cidade tem três aeroportos comerciais:

Santos-Dumont - tamanho satisfatório - está localizado no centro da cidade, sendo utilizada principalmente para o Rio-São Paulo e serviço de transporte do estado e vôos regionais.
Aeroporto Internacional do Galeão - grande aeroporto com dois terminais de passageiros - está localizado na Ilha do Governador, bairro da Zona Norte da cidade.
Aeroporto de Jacarepaguá - o menor - está localizado na Zona Oeste e é usado principalmente pelos vôos particulares e regionais em aeronaves de pequeno porte. A única atividade comercial neste aeroporto é de táxi aéreo.

Além desses aeroportos, há os aeroportos militares: a Base Aérea do Galeão, próximo ao Aeroporto Internacional; Campo dos Afonsos e da Base Aérea de Santa Cruz a Base Aérea, que fazem parte do complexo de defesa aérea da Aeronáutica brasileira.

Heliponto
Rio de Janeiro tem um monte de helipontos. Existe a possibilidade de aterragem nos aeroportos ou no Heliponto da Lagoa Rodrigo de Freitas e outros.

Porto
O porto do Rio de Janeiro está localizado na costa oeste da Baía de Guanabara, perto da cidade, e atende os estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, entre outros.



Metrô
Rio de Janeiro tem um sistema de metrô, que integra os bairros mais distantes. Ele se conecta Pavuna, Zona Norte, para Copacabana, onde há um metro integrados / serviço de ônibus. Os ônibus passam por Ipanema, Leblon, Botafogo, Humaitá, Jardim Botânico, Gávea, São Conrado alcançando Barra da Tijuca e além. Há também a integração da Pavuna especial aos municípios da Baixada Fluminense, como o Duque de Caxias, Mesquita, Nilópolis e Nova Iguaçu. No futuro, haverá integração metrô / ônibus de serviço para Belford Roxo. Também é possível obter outros recursos de integração de pequena ao longo do sistema metroviário. Recentemente, uma terceira estação de metrô de Copacabana foi aberta. Em 2008/2009, seguindo o calendário, a estação de General Osório, em Ipanema, será inaugurada. sistema de metrô do Rio de Janeiro tem uma extensão de 42 km distribuídos em duas linhas e 38 estações. Rio de Janeiro tem o sistema ferroviário metropolitano segunda maior no Brasil, e transporta 470 mil passageiros por dia.


Ônibus
Este é o meio de transporte mais utilizados no Rio de Janeiro e ainda há cerca de 4 milhões de passageiros por dia apenas nas linhas municipais. Há cerca de 440 linhas e uma frota de ônibus de quase 10 mil ônibus. Em alternativa, a cidade tem frotas de vans complementando algumas rotas exigentes nem sempre cobertos por ônibus convencionais. [SITE]

Trens Urbanos
Há uma rede ferroviária eficiente para a cidade uma vez que os trens foram modernizados pela concessionária Supervia. Os trens são ainda um útil sistema de transporte popular. No Rio, eles partem da Estação Ferroviária Central do Brasil para os subúrbios, que incluem também Zona Oeste e Baixada Fluminense. Os trens passam por bairros como Méier, Bangu e Madureira, e cidades como Nova Iguaçu e Duque de Caxias. Existem três principais ferrovias, que têm ramificações denominadas linhas auxiliares. Atualmente, a Supervia é a empresa que administra os trens urbanos.

Curiosidades sobre o Rio de Janeiro

A cidade é conhecida como a "Cidade Maravilhosa", um apelido informal dado à cidade em meados do século XX.

A cidade tem o mais caro metro quadrado do país, na Avenida Vieira Souto, em Ipanema.
De acordo com um artigo publicado na revista American Scientist, o Rio é a simpática cidade de 23 cidades ao redor do mundo.

Muitas pessoas consideram o Rio de Janeiro a "imagem" do Brasil, principalmente no que diz respeito a aspectos sociais e culturais. Juntamente com São Paulo, Rio de Janeiro é a cidade que mais influencia culturalmente o país.

Importantes empresas estão sediadas no Rio de Janeiro, como Petrobras, a empresa mais rica e importante; Globo Organizações - a maior empresa brasileira de comunicação, Telemar / Oi, - a maior empresa de telefonia, CVRD (Companhia Vale do Rio Doce Company - conhecido e respeitado em todo mundo), entre outros.

Bossa Nova feitas as belezas de Ipanema conhecida em todo o mundo.
A cidade foi o candidato de realizar os Jogos Olímpicos duas vezes e atualmente ele é o candidato para sediar os jogos em 2016.

Rio tem a segunda maior população indígena do povo Português, sendo Lisboa o primeiro.
Rio de Janeiro é, por excelência, a cidade onde o carnaval é mais comemorado com entusiasmo por todo o mundo.

Fonte:.tgl.ufrj.br/viisitraer/eng/riodejaneiro.html 

domingo, 5 de setembro de 2010

A viagem inaugural do Norwegian Epic, o novo cruzeiro-gigante, pelo Caribe

MIAMI - Sábado, 7 de agosto de 2010. Primeira noite no oceano. Na cabine, longe do agito, com a janela da varanda entreaberta, ouve-se o som das ondas no casco do navio. O quase imperceptível balanço do mar embala o sono. Embarco no tempo das grandes navegações, penso no romantismo que cercava as incríveis viagens através do Atlântico, e lembro que minha família um dia cruzou os mares para aportar no Brasil. Minha mãe veio no pós-guerra, aos dois anos de idade. Meu pai chegou depois, em 57, aos 12 anos, e se recorda bem do navio que o trouxe, uma aventura: nos dias bons, nadou na piscina; nos de chuva, viu as ondas lavarem os basculantes dos dormitórios.

Em cada parada, os encantos das praias da Costa Maia, Cozumel e Roatán

Volto para 2010. Ficarei uma semana a bordo, para um roteiro bem diferente, com águas tranquilas, tequilas, e sol a pino, a julgar pela previsão do tempo. O Norwegian Epic parte de Miami rumo ao Caribe, deixando a silhueta da cidade para trás. Neste programa do navio que faz sua temporada inaugural, estão três recantos paradisíacos, a oeste: Costa Maia, no México; Roatán, em Honduras; e, na volta, Cozumel, também no México.

A atmosfera é bem distinta da visão romântica dos navios de antigamente. Muita gente, muita festa. Um clube com academia de ginástica, spa, parede de escalada, pistas de boliche, quadra de basquete. Uma cidade com lojas e cassino, discotecas e teatro, shows internacionalmente conhecidos como o do Blue Man Group, pela primeira vez num cruzeiro; bares e restaurantes com a mais variada gastronomia. Já na saída o convés se encheu de pessoas dançando e confraternizando em meio às piscinas e seus tobogãs. Tudo isso num "prédio" de 19 de andares. Os tempos são outros e os navios mudaram, mas a emoção do descobrimento que cercava a navegação permanece numa viagem que nos leva a outras terras e novos horizontes, onde ruínas e pirâmides se anunciam, num encontro com o passado.



Domingo. Dia de navegação, ideal para exploração. Mas por onde começar num navio com 19 andares? Café da manhã. Décimo quinto andar. Waffles com calda feitos na hora, todos os tipos de pães, ovos, suco de laranja, chocolate, frutas da estação, muffins e cereais. O lugar escolhido é o simpático e informal Garden Café, com vista para o oceano, o mesmo que na véspera servia um delicioso bufê com uma infinidade de pratos: frutos do mar, pizzas, sopas, massas, sobremesas.

Neste deque ficam também as piscinas. Não há quem resista à animação que vem lá de fora. Quem passeia pelo convés encontra um lugar ao sol numa das milhares espreguiçadeiras - mais precisamente, 2.395. Faz sentido para um navio que leva até 4.228 passageiros além de uma tripulação de 1.690 pessoas. E que pesa 153 mil toneladas.

Atravessando-se o parque aquático chega-se à piscina exclusiva para adultos. Bem mais quieta. Adormecer ali é fácil. Num calor de mais de 30º C, um telão imenso exibe imagens com neve, depois pinguins, geleiras. De repente, mergulha em tomadas do fundo mar. E corta para desertos e dunas. Um milk shake de chocolate neste momento é perfeito. Seguido de um revezamento da espreguiçadeira e jacuzzi com água quente entre um mergulho e outro na piscina.


Convés vistoriado e aprovado, é hora do almoço. Um almoço tardio, é verdade, mas esta é uma das vantagens de um cruzeiro freestyle, ou seja, sem horários ou restaurantes preestabelecidos para as refeições, além do clima de descontração do traje informal.

Uma apetitosa ideia é experimentar o Noodle Bar no sexto andar, onde os cozinheiros preparam na frente do cliente a especialidade chinesa escolhida: macarrão fresco com frutos do mar, arroz colorido frito, rolinhos primavera, sopas, entre outros. Para quem aprecia variar na gastronomia, o Epic é um prato cheio. Comida francesa no Le Bistro, italiana no La Cucina, asiática no Teppanyaki e até brasileira na churrascaria Moderno. Sem falar na pizza delivery, que entrega a qualquer hora no quarto, mesmo na fome da madrugada.

Shows e boates espantam calmaria em alto mar

Não, cruzeiro não é só comer. Tem academia de ginástica com modernas esteiras que correm na direção do mar, aparelhos de musculação, aulas de pilates e ioga. Parede de escalada. Pistas para um joguinho de boliche com a família ou os amigos. Várias formas de aliviar a culpa e poder pensar no jantar sem remorso.

Melhor ainda se a refeição for só o acompanhamento: na tenda de circo Spiegel Tent, o jantar, apesar de saboroso e muito bem servido, é coadjuvante do espetáculo do Cirque Dreams and Dinner. Artistas atletas ou vice-versa impressionam pelo talento, precisão e ousadia nas acrobacias de tirar o fôlego. O nosso. Entre uma garfada e outra é difícil concentrar-se na comida.

Tarefa difícil escolher o que assistir primeiro. Vale organizar a agenda a cada noite. Mesmo já incluído no cruzeiro, é preciso fazer reservas para ver o Blue Man Group e garantir a entrada para o show mais aguardado, que acontece em quatro noites do cruzeiro, em dois horários diferentes. Mistura de teatro, música e comédia, o espetáculo multimídia começou num pequeno teatro off-Broadway e fez tanto sucesso que os homens azuis se multiplicaram e ganharam o mundo e plateias maiores. No Epic, o show ainda guarda um certo clima intimista apesar de o teatro ser maior do que o original em Nova York. Numa linguagem que dispensa a comunicação oral, a conexão com o público é imediata devido ao caráter interativo do grupo. Fora de cena, os atores transitam pelo navio sem serem reconhecidos, reservando uma conversa de cara lavada com os passageiros no final da viagem.

Outros shows disputados são o Legends in Concert e o Second City Comedy Troupe. O primeiro, grande sucesso em Las Vegas, é um cover muito bem produzido que reúne Tina Turner, Madonna e Elvis Presley. O segundo é formado por uma trupe de atores que faz um teatro de esquetes e improvisação com muito humor.

Para conhecer o Ice Bar, o ingresso é pago à parte e também é necessário fazer reserva. Inspirado nos bares dos hotéis de gelo da Escandinávia, este é o primeiro a bordo de um navio. E numa viagem ao Caribe, é uma surpresa poder sentir um frio de 8ºC negativos. Os visitantes podem se agasalhar com os casacos de pele sintética oferecidos e têm direito a dois drinques com vodca para se aquecer. O tempo máximo de permanência é de 45 minutos, mas antes disso a maioria desiste da experiência.

E como a noite no Epic é uma criança, dá tempo ainda de ver muita coisa acontecer, como o show de jazz e blues no Fat Cats. Um clube romântico a meia-luz onde vale pedir um dry martini e perder a noção da hora. A alma fica leve e na saída chega a estranhar o tumulto de fora. O cassino está a mil, com seus caça-níqueis coloridos tilintando, as roletas que giram, os grandes lustres de cristal reluzindo, e as mesas de pôquer e black jack que recebem as apostas dos passageiros.

Neste mesmo deque mais ao fundo, no clube de comédia Headliners, chama a atenção um animadíssimo duelo de rock'n roll com pianos, o Howl at the Moon. Todos na plateia podem participar anotando sua canção preferida num bilhetinho que é entregue aos músicos. Eles disputam quem vai tocar e cantar cada uma. O repertório, então, dá para imaginar, inclui as mais variadas músicas de rádio em inglês, que todo mundo está cansado de conhecer e ouvir e, por isso mesmo, curte demais. Para se ter uma ideia do clima, a mais pedida é "Don't stop believin'".


Na volta ao quarto para me trocar, esbarro com Johnny no corredor, meu camareiro, que conhece os hóspodes pelo nome. Atencioso, pergunta como está a viagem. E olha que nem estou numa das sofisticadas suítes do The Villas, com mordomo e tudo, elevador, piscina, bar e restaurante exclusivos para quem procura cabines de luxo e ambientes reservados somente a adultos.

Quem viaja sozinho pode aproveitar os modernos estúdios, cabines internas com janela redonda voltada para o corredor. Compactas mas com camas amplas, elas dão acesso ao "The Living Room", lounge exclusivo para estes hóspedes, um convite para quem quer fazer novas amizades. Para os que já encontraram seu par, há ainda as românticas suítes spa, com uma enorme cama redonda, jacuzzi e varanda. E os que já aumentaram a família podem usufruir das cabines triplas ou quádruplas próximas do Kids Crew, dedicado às crianças, com área Wii, espaço de artes e cinema.


A programação diária deixada sobre a cama na cabine lista as pistas de dança. A esta altura, a animação na Bliss está apenas começando, lugar ideal para quem ama discoteca. O ambiente é digno de uma verdadeira festa com direito a gaiolas, camas, pufes e sofás. Os tons púrpura, a iluminação feérica do bar e os doces drinques coloridos completam a decoração. O DJ não para e a música embala tudo. Ao som de "I gotta feeling", a galera dança e canta junto.

Como saideira, a Festa do Branco no Spice H2O: quando escurece, a área exclusiva para adultos tem a piscina transformada numa animada pista de dança a céu aberto. Com a maioria das pessoas aderindo ao dress code, a madrugada ganha ares de festa de réveillon. No fim da noite, fogos de artifício explodem. No telão.

O CRUZEIRO:
Roteiros:

Nesta temporada inaugural, os roteiros se alternam entre leste e oeste do Caribe, com sete noites cada, sempre partindo de Miami, até 30 de abril de 2011. Caribe Leste: Miami, St. Maarten, St Thomas, Nassau, Miami. Caribe Oeste: Miami, Costa Maia (México), Roatán (Honduras), Cozumel (México), Miami. A partir de 7 de maio de 2011, o Epic parte para temporada na Europa. Mais informações: (epic.ncl.com.br)

Preços:
A cabine New Wave, para casal, sai a US$ 1.200 por pessoa. A cabine Studio, individual, sai por US$ 890, mas já estão quase todas esgotadas até dezembro. O preço da cabine interna é US$ 780 por pessoa. E o da cabine SPA, para casal, sai por volta de US$ 2.980 por pessoa. É cobrada ainda uma taxa de serviço de US$ 12 por dia por pessoa. Taxas portuárias variam conforme o roteiro.

Cruzeiro freestyle:
Nessa modalidade, não há uma programação prédefinido de refeições a ser seguida. O passageiro faz sua agenda e escolhe onde e quando comer. Entre as opções estão 11 restaurantes. As refeições estão incluídas no preço da cabine e outros mais sofisticados que necessitam reserva e pagamento de taxa extra por pessoa (de US$ 10 a US$ 25). As bebidas são cobradas à parte.Os shows do Blue Man Group, do Legends in Concert e Howl at the Moon estão incluídos. O estilo livre estende-se para o vestuário informal.

O Gobo

Manaus, uma grande cidade no meio da selva amazônica

Manaus situa-se na confluência dos rios Negro e Solimões. É a maior e mais populosa cidade da Amazônia, de acordo com as estatísticas do IBGE, sendo uma das cidades brasileiras mais conhecidas mundialmente, principalmente pelo seu potencial turístico e pelo ecoturismo, sendo o décimo maior destino de turistas no Brasil
Manaus é um misto incongruente de urbanidade no meio da selva, possui um importante porto para os navios de oceano que está 1,5 mil quilômetros do oceano. A floresta tem uma meia densidade populacional da Mongólia s ', mas a viagem não começa, invariavelmente (ou passa) desta cidade animada de dois milhões de almas. Não se surpreenda se você se sentir um pouco fora do ritmo local.

A vegetação da capital é densa, e tipicamente coberta pela floresta Amazônica. Com uma flora diversificada, abriga vários tipos de plantas, além da vitória-régia, uma espécie aquática ornamental.

Existem plantas bem próximas umas das outras, o que torna a vegetação úmida e impenetrável. Há espécies com folhas permanentes, encarregadas de deixar a floresta com um verde intenso o ano todo.


Manaus é tida como a "Capital Ambiental do Brasil", pelo seu extraordinário recurso natural. Cerca de 98% dos 11.401,058 km² da área do município está intacta.
Tatro Amazonas

Conta também com diversos hotéis de selva em sua região metropolitana. Um dos principais pontos turísticos da cidade é o Teatro Amazonas, inaugurado em 31 de dezembro de 1896, sendo o principal Patrimônio Artístico Cultural do estado do Amazonas e a obra mais significativa da época áurea da borracha.

A cidade  tem outro locais realmente gratificantes, incluindo um zoológico arborizado como muitos animais fora das gaiolas, e uma conjunto de praias e um museu que  fica fora do centro da cidade. É um lugar para estocar qualquer coisa que você esqueceu de embalar, ou para encher o seu tanque com cerveja e internet depois de uma semana na floresta.

Manaus também é onde está a maioria dos operadores turísticos da Amazônia. Há vários profissionais honestos, mas a cidade também está cheia de golpistas. E lembre-se de que Manaus não é o único lugar para registrar uma excursão da selva! Existem inúmeras opções em outras cidades que possam dar mais opções.

Ouro Preto. 30 anos como Patrimônio Cultural da Humanidade

Cidade foi a primeira no Brasil a receber o título da Unesco.
Segundo prefeito, o patrimônio simbólico imaterial também é singularíssimo.

Ouro Preto, na região central de Minas, comemora, neste domingo, 5 de setembro, 30 anos como Patrimônio Cultural da Humanidade. O título foi concedido pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), na quarta sessão do Comitê do Patrimônio Mundial, realizada em Paris, em 1980.

De acordo com o prefeito da cidade, Ângelo Oswaldo, “a decisão de apresentar a candidatura de Ouro Preto foi de Aloísio Magalhães, na época secretário de Cultura do Ministério da Educação e Cultura. ”A cidade histórica foi a primeira no Brasil a receber o título de Patrimônio Cultural da Humanidade. Hoje são 18 títulos no país, entre eles: Olinda (PE), o centro histórico de Salvador e Brasília", diz.



Segundo Oswaldo, Brasília é o “primeiro bem do séc. XX inscrito na lista do patrimônio", com os autores vivos Lúcio Costa e Oscar Niemayer. Em Minas Gerais, três cidades possuem o título da Unesco: Ouro Preto; Congonhas – com o Santuário do Senhor Bom Jesus do Matosinho; e Diamantina.

O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) ressalta a importância do ciclo do ouro no século XVIII para o florescimento da civilização brasileira. O instituto explica ainda que a singularidade do patrimônio arquitetônico e artístico e o elevado estado de conservação fizeram com que Ouro Preto fosse acolhida sem ressalvas pela Unesco.

Para o escritor e diretor do Museu da Inconfidência Rui Mourão, “Ouro Preto chegou a patrimônio por causa da mineração no século XVIII. A mineração atraiu para Minas quase toda a população do país. As cidades históricas brasileiras não têm a monumentalidade de Ouro Preto. A riqueza do ouro é que produziu tudo aqui.” O diretor ainda defende uma divisão para a história brasileira, segundo ele: o século XVII foi nordestino – por causa da cana de açúcar –, o século XVIII foi mineiro, o século XIX foi carioca e o século XX foi paulista.

Os bandeirantes que vieram de São Paulo contribuíram muito com a construção de Ouro Preto, assim como os portugueses e os negros, explica Mourão. O escritor ressalta a contribuição dos negros. Ele conta que Ouro Preto surgiu por acaso. As pessoas chegavam à região por causa da mineração e se estabeleciam. Dois arraiais se destacaram: o de Nossa Senhora do Pilar e o de Nossa Senhora da Conceição de Antônio Dias.
De acordo com Rui Mourão, não havia comunicação entre os aglomerados. Posteriormente, a famosa Rua Direita interligou a região. Segundo a prefeitura, Ouro Preto nasceu a partir do arraial do Padre Faria – fundado pelo bandeirante Antônio Dias de Oliveira, pelo Padre João de Faria Fialho e pelo Coronel Tomás Lopes de Camargo e um irmão dele, por volta de 1698. Em 1711, com a junção de vários arraiais, estabeleceu-se a cidade de Vila Rica. Quando a capitania de Minas Gerais foi criada, Vila Rica foi escolhida a capital, em 1720.

A história do Brasil está latente em Ouro Preto, tanto que a cidade também foi a primeira a receber o título de Monumento Nacional. O prefeito Ângelo Oswaldo conta que, em 1933, o então presidente Getúlio Vargas declarou, por meio de decreto, Ouro Preto como Patrimônio Nacional. O tombamento pelo Iphan veio em 1938. Rui Mourão acredita que o tombamento e o título conferido por Getúlio foram fundamentais para a preservação de Ouro Preto. “Se não fosse ele, a cidade teria se descaracterizado”, diz Mourão. Ele classifica Ouro Preto como “o maior patrimônio e mais bem conservado e cuidado que existe no Brasil.” Já o título concedido pela Unesco, Mourão avalia como uma consagração, uma confirmação da Importância de Ouro Preto. "O título de Patrimônio Universal da Humanidade ajudou a consolidar prestígio internacional da cidade", destacou o escritor.

Apesar do tombamento e das construções históricas, a cidade não parou no tempo. O diretor do Museu da Inconfidência acredita que “Ouro Preto não é uma cidade do interior, mas uma cidade metropolitana. A mentalidade aqui não é provinciana de maneira nenhuma”. Ele credita essa característica aos estrangeiros que visitam a cidade e transmitem coisas boas à população.

As pessoas que passaram e que vivem em Ouro Preto também são importantes na consolidação do Patrimônio Universal da Humanidade. Ângelo Oswaldo destaca dois nomes: Aleijadinho e Tiradentes.
O primeiro, Antonio Francisco Lisboa, nasceu e morreu em Ouro Preto (1738-1814). Segundo o prefeito, Aleijadinho é o patrono da arte do Brasil. Foi o primeiro artista brasileiro a exprimir um estilo próprio, “a primeira expressão brasileira de arte”. Já o alferes Joaquim José da Silva Xavier articulou em Ouro Preto nos anos de 1787, 88 e 89 a conspiração conhecida como Inconfidência Mineira – primeiro movimento significativo pela independência do Brasil. O prefeito explica que os dois grandes símbolos do Brasil – o patrono das artes e o patrono cívico da nação brasileira - são referências da história de Ouro Preto. “Isso faz com que a cidade também tenha, além do patrimônio material, o patrimônio simbólico imaterial singularíssimo”, concluiu Oswaldo.

Várias pessoas ilustres fizeram história em Ouro Preto. Nomes importantes passaram pela Universidade Federal de Ouro Preto (Ufop), uma das mais tradicionais do país: o ex-presidente Getúlio Vargas, o aviador Alberto Santos Dumont, o cantor e compositor João Bosco, o pai da siderurgia Amaro Lanari, o político e historiador João Pandiá Calógeras, Eliezer Batista, ex-presidente da Cia. Vale do Rio Doce, Joaquim Candido da Costa Sena, que foi presidente da província de Minas Gerais, entre muitos outros.

Cotidiano
Ouro Preto não parou no tempo. A cidade é agitada durante a semana, estudantes, turistas e a população local movimentam o centro histórico. No fim do dia, o trânsito é intenso. A feira de artesanato, que fica ao lado da igreja de São Francisco, funciona 12 horas por dia, de segunda a segunda. O casal Sérgio Aparecido de Oliveira, 45 anos e Cláudia Perpétua da Silva Fernandes, 40 anos possui uma barraca na feira há 25 anos. Eles relembram o passado, “as barracas ficavam no meio da rua e no chão”. Sérgio e Cláudia contam que vivem bem com o dinheiro ganho do artesanato. “Já compramos casa, carros...”. Sobre o título de patrimônio de Ouro Preto, o casal acredita que se não tivesse o título, teria sido descaracterizada.

Helton Saar, é estudante de Farmácia da Ufop, ele é natural de Ipatinga. Há dois anos vive em uma república em Ouro Preto. Segundo Helton, ele preferiu morar em uma república particular, pois “é melhor para estudar.” Saar disse que pretende se formar e continuar os estudos fazendo mestrado e doutorado. Entre as atrações turísticas da cidade, Helton destaca a igreja do Pilar e o Museu de Mineralogia da Escola de Minas. Mas para ele o melhor mesmo são as festas, chamadas em Ouro Preto de “rocks”.

As pessoas vêm de toda parte do Brasil. Marcela Silva Peixoto é baiana, de Itapetinga. Ela mora em uma república particular com outras cinco colegas. Marcela avalia sua estadia na cidade: “morar em Ouro Preto foi a melhor experiência que já teve. Aqui, a gente não se sente sozinho nunca.” Marcela conta que para fazer qualquer reforma, as repúblicas – federais e particulares – precisam pedir autorização. Ela não sabia, mas o patrimônio natural que cerca Ouro Preto também é tombado, como por exemplo o Parque do Itacolomi e a nascente do Rio das Velhas.

A questão do saneamento básico na cidade é uma prioridade, explicou o prefeito. Ângelo Oswaldo disse que foi criada uma autarquia que cuida da água e do esgoto. Ouro Preto não parou de crescer. Para preservar o centro histórico, a expansão é executada em distritos próximos, como Cachoeira do Campo e Amarantina.

G1